Sabesp Na Mídia

Um passeio dentro do reservatório

  28/08/2013

TribunaNo Parque Ecológico do Voturuá, em São Vicente, muitos visitantes nem imaginam o que se esconde dentro do morro. Depois de caminhar por alguns minutos por uma trilha, que normalmente está fechada, um curioso observador se depara com um portal, uma passagem para dentro da área rochosa, que lembra um túnel da Serra do Mar.

Ao passar por esse espaço, uma espécie de antessala com canos, existe uma ponte de madeira improvisada, que leva à uma entrada circular, de cerca de 1,80 metro de diâmetro. É ali que quem se dispõe a explorar o parque descobre o mistério por trás da montanha: o maior reservatório de água tratada da América Latina, o Reservatório-TúnelSantaTereza/ Voturuá. Nesta semana, a população tem uma das poucas oportunidades para conhecer o funcionamento do local e observar como é o interior da galeria. É que a Companhia de Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp) realiza a limpeza no reservatório e o abriu para visitação.

Admiração

“É espetacular. Um aprendizado incrível”, elogia aprofessora Vilma Maria Bergantini. Ela já tinha feito outra visita, há muitos anos, mas saiu do novo passeio ainda mais impressionada. “Temos a noção do tamanho da obra que foi feita aqui e da importância da água. Estou maravilhada”, admira-se. “As pessoas se surpreendem com o tamanho do reservatório. Ninguém tem a noção do que é até vê-lo.

As pessoaschegam aqui e observam uma estrada. Ficam de queixo caído”, explica o técnico responsável pela limpeza, João de Morais Chaves Filho, que também acompanha a visita monitorada, explicando o funcionamento do local. Chaves Filho conhece bem o reservatório. Trabalha há 33 anos na Sabesp e estava presente na inauguração dele, em 1981.Desdeentão,participa de todas as manutenções.“Primeiro, fazíamos a limpeza anualmente. Depois, percebemos que não era necessária essa periodicidade e o trabalho é feito a cada dois anos”,conta.


Uma pedra no caminho

Uma das surpresas durante o trabalho de limpeza aconteceu entre 1984 e 1985. Quando o reservatório foi esvaziado, encontraram no fundo uma pedra enorme, com cerca de 1,60 metro de altura e mais de dois metros de largura, que se soltou da parede. “A sorte foi que ela se soltou quando estava cheio. A água amorteceu o impacto e impediu que a tubulação fosse atingida”,lembra.
 
O obstáculo continua no local e não oferece risco, mas para evitar problemas,uma vez que apedra está a poucos centímetros dos canos, foi feita uma contenção. Além de ver a pedra, os visitantes percorrem um trechode 400 metros, ladeado por tubulações, e passam da divisa com Santos. Com 13metros de altura e 15 metros de largura, o caminho percorrido aindaconta com cerca de 15 centímetros de água.

O local foi iluminado para o passeio e pode-se ver paredes avermelhadas pelo ferro acumulado. Ao final do trecho, existe outra entra dacircular.Atrás dela, fica o outro reservatório que não está aberto para a visitação. Permanece cheio, com 55 milhões de litros de água (quantia que representa 22% do abastecimento de toda a Baixada Santista), para que o abastecimento de Santos, São Vicente, Praia Grande e parte de Guarujá seja mantido.

Este conteúdo te ajudou?
6 0
Compartilhe Imprima



Imagens da Sabesp

Buscar em Mídia


Por data: de:   dd/mm/aaaa

até:  dd/mm/aaaa

Sabesp na sua região

Digite o nome do município onde você mora e conheça o trabalho que a Sabesp faz nessa região.